quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

ÚLTIMAS MENSAGENS POSTADAS 04 01 2018

PEDOFILIA DISQUE 100 OU 181

 
A Organização Mundial de Saúde, na sua Classificação Internacional das Doenças, define a pedofilia como uma categoria das parafilias, ou seja, um transtorno caracterizado por um padrão de comportamento sexual no qual, em geral, a fonte predominante de prazer está em crianças pré-púberes (com idade até 13 anos). Problema de saúde mental, a pedofilia é, portanto, um transtorno sexual e não um
ato ou um crime.


No entanto, quando a pessoa que sofre desse tipo de transtorno tem relação sexual com as vítimas, ela está agindo como criminosa e vai responder por abuso ou exploração de crianças. É importante ressaltar que nem toda pessoa que sofre do transtorno de pedofilia necessariamente comete crimes sexuais (ela pode procurar tratamento ou se abster, e não chegar a cometer o crime). Por outro lado, nem toda pessoa que comete abuso sexual contra uma criança pode ser classificada como pedófilo.

O abuso sexual é geralmente praticado por pessoa com quem a criança ou adolescente possui relação de confiança, que faz parte do seu convívio. Essa violência pode se manifestar dentro ou fora do ambiente doméstico.

A exploração sexual pode ocorrer de formas diferentes: no contexto da prostituição; através do tráfico de pessoas para fins de exploração sexual; no contexto do turismo e, ainda, por práticas relacionadas à pornografia infantil.


Combate
A Lei nº 11.829/2008, que alterou os artigos 240 e 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente, tornou a punição para crimes de pornografia infantil mais severa, aumentando as penas e incluindo várias condutas relacionadas a essa prática. A partir de então, é crime: produzir, reproduzir, dirigir, fotografar, filmar ou registrar, por qualquer meio, cena de sexo explícito ou pornográfica, envolvendo criança ou adolescente. E ainda: adquirir, possuir ou armazenar, oferecer, vender, trocar, disponibilizar, transmitir, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente.


Cabe ao Governo Federal desenvolver programas e ações que promovam a defesa dos direitos humanos da criança e do adolescente. Uma importante iniciativa é o Disque 100, um canal de denúncias disponível para a população e que pode ser acessado gratuitamente em todo o território nacional. O serviço funciona 24 horas
e a denúncia pode ser anônima. 

Outro exemplo é o programa Escola que Protege, que financia projetos de capacitação de profissionais da educação pública para lidar com situações de violência identificadas no ambiente escolar e, com isso, ajudar a prevenir ou romper o ciclo da violência infanto-juvenil. 

www.brasil.gov.br › Cidadania e Justiça › 2011 › 07
 
 

 


PERITOS DA PF CRIAM PROGRAMA QUE VASCULHA CELULARES E COMPUTADORES EM BUSCA DE PORNOGRAFIA INFANTIL


 
Peritos da Polícia Federal em Campo Grande (MS) desenvolveram e aprimoraram um programa capaz de identificar, em poucos minutos, imagens e vídeos de pornografia infantojuvenil arquivados com suspeitos de pedofilia.
 
A ferramenta forense NuDetective auxilia operações com a busca de arquivos de pornografia com imagens de crianças e pré-adolescentes, ainda no local do crime, durante o mandado de busca e apreensão.

"O suspeito não precisa compartilhar as imagens para responder criminalmente. Basta ter fotografias e filmes que exponham crianças para ser responsabilizado", explica o engenheiro Pedro Monteiro da Silva Eleutério, 40, que desenvolveu o programa em parceria com o cientista da computação Mateus de Castro Polastro, 37.

Esta é a principal diferença da ferramenta NuDetective em relação aos outros programas. Ela detecta e identifica arquivos que são desconhecidos e que nunca foram compartilhados na internet. O nome junta dois termos em inglês: "nude" (nu) e "detective" (detetive).

Os peritos já identificaram vídeos e fotos de abuso até de bebês com menos de um ano de idade. Em um computador de uma pessoa que se interessa por esse tipo de conteúdo, geralmente existem fotografias e vídeos de crianças de ambos os sexos e idades antes da puberdade.

Não existem estudos que definam um padrão sobre o pedófilo. No geral, de acordo com a Polícia Federal, essa pessoa possui muitos arquivos ilícitos, podendo variar de cem a 5.000 imagens de crianças.

Já foram flagrados em operações desde pedófilos jovens, com 18 anos, até pessoas com mais de 60 anos.

De acordo com os peritos da Polícia Federal, existe uma tendência de se acreditar que as meninas são as mais procuradas pelos pedófilos, mas isso não é verdade. Os arquivos de pornografia infanto juvenil incluem meninos na mesma proporção.
A ideia do NuDetective surgiu devido à mudança do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em 2008, que tipificou como crime a posse de arquivos de pornografia infantojuvenil.

"Ele vasculha o dispositivo de armazenamento computacional e identifica os arquivos mais prováveis de conterem pornografia infantojuvenil, através da utilização de quatro técnicas [análise de imagens, análise de vídeos, análise de
hash e análise de nomes, leia mais abaixo], que são utilizadas conjuntamente, de forma combinada. Cabe ao perito visualizar os arquivos trazidos pela ferramenta
e definir se é pornografia", afirma Eleutério.

O programa vasculha dispositivos de armazenamento computacional em HDs, computadores, cartões de memória, pendrives, notebooks, celulares e tablets.

"Em geral, 15 minutos são suficientes para identificar se um dispositivo possui arquivos relacionados à pornografia infantojuvenil e esse tempo já inclui a análise do conteúdo. Isso é possível, pois o perito não precisa aguardar o programa terminar a varredura para analisar os resultados. Enquanto roda, o programa já exibe os arquivos suspeitos encontrados em tempo real."

Antes, os peritos podiam levar até 20 dias para contabilizar, na Polícia Federal, todas as imagens armazenadas em um dispositivo. No laboratório, os peritos apuram, inclusive, se o pedófilo está se comunicando com a criança ou compartilhando as imagens com outras pessoas.

Como funciona
A análise de imagens, que foi a ideia original para concepção da NuDetective, atua como um detector de nudez.

Inicialmente, o software realiza a detecção automática de nudez em imagens por meio de técnicas de identificação de pixels de pele e de geometria computacional.

Depois, o NuDetective verifica o nome dos arquivos a fim de detectar as expressões mais comuns de pedofilia.

Em seguida, o programa compara o valor hash [a impressão digital do arquivo] com uma lista de valores de arquivos ilegais conhecidos.

Por fim, o programa calcula a amostra ideal e extrai frames de vídeos, realizando a detecção de nudez nos frames a partir dos algoritmos utilizados pela análise de imagem, permitindo a identificação de vídeos de pornografia infanto-juvenil.

A taxa de sucesso do programa é de 95% de detecção de fotografias e 85% para vídeos com imagens de pedofilia.
 Silva Júnior/Folhapress
"Crianças não devem possuir redes sociais convencionais"
Segundo os peritos, a melhor forma para evitar abusos na internet é a prevenção. Eles aconselham aos pais a ficarem atentos a todo o conteúdo que as crianças acessam e, principalmente, com quem conversam no mundo virtual.

"Antigamente a gente ouvia dizer que o computador tinha que ficar na sala. Mas hoje as crianças têm smartphones e tablets. E elas ficam 100% do tempo conectadas, sozinhas no quarto. Aí mora um perigo muito grande. Crianças não devem possuir redes sociais convencionais --existem redes sociais específicas para elas. A política de segurança e uso do Facebook, por exemplo, proíbe menores de 13 anos de possuírem um perfil-- só que ninguém lê esse tipo de coisa", explica Eleutério.

Tecnologia foi desenvolvida pelos próprios peritos
Os peritos da Polícia Federal desenvolveram o programa fora do horário de trabalho, no final de 2009. Hoje está na versão 3.2. "Toda a metodologia foi pesquisada e desenvolvida por nós mesmos. Lemos diversos artigos científicos relacionados e a partir de testes e experimentos desenvolvemos as melhores técnicas que entendemos que iriam funcionar bem", explica Eleutério.

O NuDetective é gratuito, mas exclusivo de forças da lei e de instituições públicas. Já solicitaram e receberam o programa mais de 50 instituições nacionais, como a Polícia Federal, institutos de criminalística estaduais, polícias civis estaduais, Exército, Marinha, Ministérios Públicos estaduais e federais, além de universidades públicas. Fora do Brasil, a NuDetective foi enviada a nove países, incluindo Portugal, Argentina e EUA.

Os peritos já receberam prêmios por publicações, um dos quais no Encontro Mundial de Peritos, que aconteceu na Coreia do Sul, em 2014. O prêmio mais relevante, segundo eles, foi o Destaque Forense, concedido pela Sociedade Brasileira de Ciências Forenses, que escolheu uma das publicações da dupla como o melhor artigo científico nacional em ciências forenses no biênio 12-13.

Embora não tenham estimativas oficiais, os peritos avaliam que mais de 300 pedófilos já foram identificados com o auxílio da NuDetective no Brasil.

As denúncias sobre pedofilia podem ser feitas nas delegacias de Polícia Civil da cidade ou por telefone, no Disque 100. Pela internet, é possível denunciar pelo aplicativo Proteja Brasil.
Paulo Renato Coelho Netto
UOL, em Campo Grande
19/11/201704h00

PENSAMENTO POSITIVO FISICA QUANTICA [VIDEO]

Pensamento Positivo e a Física Quântica 
 


NOOSFERA ESFERA DO PENSAMENTO HUMANO

 

 A Noosfera pode ser vista como a "esfera do pensamento humano", sendo uma definição derivada da palavra grega νους (nous, "mente") em um sentido semelhante àatmosfera e biosfera.

Na teoria original de Vernadsky, a noosfera seria a terceira etapa no desenvolvimento da Terra, depois da geosfera (matéria inanimada) e da biosfera (vida biológica). Assim como o surgimento da vida transformou significativamente a geosfera, o surgimento da conhecimento humano, e os consequentes efeitos das ciências aplicadas sobre anatureza, alterou igualmente a biosfera.

 
No Conceito da Noosfera do filósofo francês Teilhard de Chardin, assim como há a atmosfera, existe também o mundo das ideias, formado por produtos culturais, pelo espírito, linguagens, teorias e conhecimentos.

Seguindo esse pensamento, alimentamos a Noosfera quando pensamos e nos comunicamos. A partir de então, o conceito de Noosfera foi revisto e consequentemente sendo previsto como o próximo degrau evolutivo de nosso mundo, após sua passagem pelas posteriores transformações de "Geosfera", "Biosfera", "Tecnosfera" (temporária e em andamento) e então Noosfera.

A transição da biosfera de uma ordem inconsciente de instinto para a ordem superconsciente de telepatia é uma função da Lei do Tempo e é denominada transição biosfera–noosfera. A transição biosfera-noosfera é o resultado direto do aumento exponencial de complexidade biogeoquímica e a consequente liberação de “energia livre” devido à aceleração da transformação termo-químico-nuclear dos elementos.

A evolução do "Cérebro Galáctico" segue um processo estritamente regulado no qual a transição da consciência instintiva para a consciência telepática contínua é inevitável e representa a derradeira crise no desenvolvimento da biosfera. Essa mudança, caracterizaria então a próxima era Geológica denominada Era "Psicozóica", definida como a sequência normativa da evolução do superconsciente hiperorgânico da noosfera unificada telepaticamente. No séc. XXI, M.Mocatino deu origem a uma vertente de pensamento sem nome e mutável (fazendo referência ao universo), a qual detinha como intuito também "traduzir" a Noosfera. Essa vertente, não se baseia em conceitos mas sim em ideias que são refutadas e transformadas (quase como um programa "open-source"), seguindo uma lógica de pensamento baseada em hipóteses e probabilidades levando em consideração o princípio da incerteza, assim como o modelo universal. Essa vertente de pensamento possibilita à mente humana a capacidade de esboçar em seu sub-consciente um cenário da Noosfera, diferente do modelo relativamente "estático" a que estamos acostumados em nosso cotidiano.

Um dos indícios de noosfera é traduzido pelo crescente aumento de pessoas tendo a mesma ideia praticamente ao mesmo tempo, mesmo estando isoladas. Seguindo Leis físicas, a explicação para isso seria dada por uma relatividade divergente de velocidade presente entre a matéria e a energia, ou entre o cérebro e a noogênese, na qual as informações acessadas já estariam dispostas na Noosfera, mesmo que de forma primordial. Algumas das ideias usadas de base para isso estão concentradas em temas como "Agnosticismo", "Cosmologia" e "Cultura Maia" entre outros povos, os quais detinham um conceito sobre o tempo diferente das sociedades ocidentais e dominavam a Matemática e o Mapeamento Astral...

wikipédia

MONGE OSHO MEDITAÇAO

Osho – Meditação
 


quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

METAMORFOSE E TRANSFORMAÇÃO COLETIVA

 
DEEPAK CHOPRA
METAMORFOSE E TRANSFORMAÇÃO COLETIVA

INCRÍVEL MÁQUINA HUMANA

A Incrível Máquina Humana
 

FÍSICA QUANTICA EXPLICA HOMEOPATIA

 
Física Cuántica explica la homeopatía

Gota com expressão humana

GERAÇÃO TOUCH

 
Os movimentos finos de nossas mãos ainda são comandados pelos polegares, que, nos últimos anos, aprenderam a digitar velozmente em telas touch de smartphones e tablets. Esses aparelhos poderosos e de uso intuitivo se tornaram de tal modo uma extensão de nossos dedos que passaram a moldar o comportamento de uma geração inteira.
 
Os jovens que hoje têm 15 anos conhecem a vida com um celular nas mãos. Eles não são os primeiros a crescer sob a influência da internet, mas os primeiros a se definir pela ligação com um universo digital e móvel: com o celular conectado à internet, carregam no bolso as amizades, a escola, o trabalho e uma fonte inesgotável de conhecimento. Ainda não há um nome estabelecido para eles. Há quem fale em geração Z ou pós-millennials. Pode-se batizá-los de "geração touch".

Estima-se que os jovens nessa faixa etária sejam hoje 26% da população mundial. Em pouco mais de uma década, eles deverão representar 75% da força de trabalho global. Muitos estarão à frente do próprio negócio. Vão se casar, ou se unir em outros tipos de relação estável. Terão os seus filhos. Pintar um retrato dessa multidão implica, obviamente, passar por cima de diferenças marcantes. A influência do lugar onde se nasce não deve ser ignorada, mesmo que esses adolescentes, vivendo ao redor do planeta mas interligados pela tecnologia móvel, tenham, como nenhuma outra geração anterior, um mesmo repertório de referências, imagens, informações. E a adolescência - bem, a adolescência continua a ser o turbilhão que sempre foi. Não há remédio para a maneira como ela exacerba comportamentos e traços de personalidade. Segundo os estudiosos, no entanto, o perfil de grupos etários que compartilham experiências culturais, econômicas e políticas pode ser codificado e estudado de maneira proveitosa.

É na escola que a primeira característica da geração touch se torna evidente. Pesquisas internacionais demonstram que 52% dos adolescentes usam o YouTube e as redes sociais para estudar. "Prefiro ver as aulas de matemática e ciência em vídeo - para mim é muito mais fácil de entendê-las", diz a mineira Gabriela Salles, que confessa que passa doze horas por dia conectada.

Ainda é cedo para ter certeza do impacto que esse uso constante da internet terá na formação dos jovens. Neurocientistas como Maryanne Wolf, da Universidade Tufts, observam que a leitura não é uma atividade natural para a espécie humana, e depende de circuitos cerebrais que requerem o treino da atenção prolongada para se formar. Um efeito colateral desse aprendizado é a ampliação da capacidade de analisar ideias. A imersão permanente na internet, em aplicativos e redes sociais, estimula de maneira diferente os jovens.

A geração touch está habituada a lidar simultaneamente com até cinco telas. São três telas a mais em comparação com seus antecessores imediatos da chamada geração Y, que hoje têm por volta de 30 anos.

Pesquisas feitas por médicos e psiquiatras do Canadá e dos Estados Unidos confirmam que os adolescentes de hoje demonstram um limite médio de atenção reduzido: são apenas oito segundos, e 11% deles são diagnosticados com transtorno de déficit de atenção. Existe, portanto, um risco no horizonte. Mas faltam estudos para que se possa chegar a conclusões sólidas.
 
"Não há dúvida de que eles aprendem de maneira diferente", diz Wilton Ormundo, diretor do ensino médio da Escola Móbile, em São Paulo. "Isso nos levou a usar não só o computador mas até o celular e as redes sociais na escola. Não é possível excluir das aulas essas ferramentas tão naturais para eles. Grande parte do nosso trabalho atual é ensinar a selecionar as informações e oferecer formas de lidar com as distrações e as multitarefas. Mas não acredito que por isso eles são mais superficiais ou aprendem menos. Na verdade, são bastante exigentes e têm conhecimentos integrados, abrangentes e internacionalizados."

Rita Loiola e Raquel Carneiro
Revista Veja

PESSOAS COM SUPER GENES ESTÃO ENTRE NÓS

 
 Resultados de um estudo chamado “Projeto Resiliência” detectaram 13 pessoas “resilientes” – entre mais de meio milhão de genomas estudados. São indivíduos que têm mutações genéticas que deveriam ter as condenado a graves doenças, muitas vezes mortais, na infância. Mas, em vez disso, eles aparentemente vivem uma vida saudável na idade adulta.

 Mas então como e quando nós vamos colocar essas pessoas em um laboratório, estudar seus genes para encontrar curas e fazer toda a raça humana viver feliz para sempre? Aí é que está: os cientistas não têm sido capazes de entrar em contato com essas pessoas, seja para contar-lhes sobre o seu estado genético especial, seja para fazer qualquer pesquisa de acompanhamento. Formulários de consentimento de pesquisa elaborados muito antes de o Projeto de Resiliência sequer existir inviabilizam a ideia – outro exemplo da questão complicada de consentimento para estudos genéticos.

 O estudo, publicado na revista Nature Biotechnology, é o primeiro passo para o Projeto – ele é a prova de que essas pessoas resilientes com genes superpoderosos realmente existem. E para esta primeira etapa, os cientistas se basearam em dados de genes originalmente recolhidos para outros estudos. A maioria dos genomas, cerca de 400.000 deles, veio de pessoas que enviaram sua saliva para a empresa de sequenciamento 23andMe, e marcaram no formulário de acompanhamento que deixavam seu DNA ser usado em pesquisas.

 “Quando você está lidando com um estudo retrospectivo, você está lidando com dados de outras pessoas”, diz Jason Bobe, geneticista da Centro Médico Mount Sinai, nos EUA, envolvido com o Projeto Resiliência. “Não responde a todas suas perguntas. Não tem todas as informações que você precisa”.

Heróis anônimos
Os cientistas do projeto não têm nomes, informações ou registros médicos completos de contato. A equipe construiu um programa para analisar dados genômicos para encontrar pessoas com mutações de 584 doenças genéticas graves, como fibrose cística. Eles enviaram o programa aos seus parceiros como a 23andMe, o Hospital Infantil da Filadélfia e o Instituto de Genoma de Pequim, que ofereceram os dados anônimos de 303 candidatos. Fazendo o seu melhor para verificar os dados usando informações médicas autorrelatadas das pessoas sequenciadas, a equipe peneirou os candidatos a 13 pessoas resilientes.
 
É aí que a coisa parou. Para algumas das fontes de dados, os participantes assinaram um termo de consentimento que não permite que eles sejam recontatados por qualquer motivo. “A última ‘geração’ de consentimentos e coleta de amostras correspondentes para estes tipos de estudos em larga escala foram feitos sem um recontato em mente”, diz Jay Shendure, pesquisador de genética da Universidade de Washington, que não esteve envolvido no estudo.

O raciocínio era de que laboratórios de pesquisa não são mantidos ao mesmo nível que os laboratórios clínicos certificadas pelo governo. E para algumas pessoas, a informação genética indesejada pode ser um fardo, também. Por exemplo, você pode doar DNA para um estudo sobre o fígado, mas isso significa que você quer saber se o seu DNA mais tarde terá um gene de uma doença cerebral imprevisível e incurável? Devido a estes limites, o Projeto Resiliência não foi capaz de verificar os registros médicos ou, na maioria dos casos, re-sequenciar o DNA.

Consentimento facilitado
O termo de consentimento da 23andMe não promete nenhum novo contato, mas não explicitamente pede consentimento para que ele seja feito, deixando-o em um limbo. Bobe diz que o Projeto Resiliência pediu à 23andMe para elaborar um processo para recontatar oito indivíduos identificados neste estudo. “Mesmo que nós façamos este novo contato regularmente com participantes de pesquisas”, disse a 23andMe em um comunicado ao site Wired, “às vezes pode ser um processo complexo, que envolve tempo e recursos significativos, o que é o caso neste momento”.

Esse problema do consentimento para recontatar doadores pode não ser um problema para sempre. “Cada vez mais, os projetos de investigação estão construindo um engajamento dos participantes na estrutura de suas pesquisas”, diz Michelle Meyer, especialista em bioética da Universidade Clarkson e do Monte Sinai. Isso poderia significar, por exemplo, manter os pacientes por perto quando seu DNA torna-se um achado inesperado como uma superpotência genética. Meyer também tem consultado sobre a próxima fase do Projeto Resiliência, que irá recrutar um adicional de um milhão de pessoas que concordarão expressamente com o recontato.

O Projeto Resiliência tem certamente seu desafio estabelecido. Basta considerar o paciente típico a participar de um estudo que poderia algum dia curar sua doença, mas este projeto terá de recrutar pessoas saudáveis, ​​cuja proteção contra falhas genéticas só poderia ser conhecida quando eles se juntassem ao estudo. “Sabemos que temos que atingir números muito grandes. Sabemos que vai ser raro”, diz Bobe. Mas uma vez que a equipe identificar as pessoas resilientes, eles vão finalmente ser capazes de falar com elas.
 
Wired
 

terça-feira, 7 de novembro de 2017

ÚLTIMAS MENSAGENS POSTADAS 07 11 2017

GUERREIRO DA LUZ


 “O Guerreiro da Luz sabe que tudo é uma coisa só e que cada ação individual afeta todos os homens do planeta.”

“Assim como o lutador, o Guerreiro da Luz conhece sua imensa força e jamais luta com quem não merece a honra do combate.”
 
Olhando as coisas simples
O Guerreiro da Luz sabe que, como dizem os tibetanos, “não é preciso uma experiência mística para descobrir que o mundo é bom”. Basta perceber as coisas belas e simples à sua volta.

Quando tem medo, o Guerreiro da Luz concentra-se nos pequenos milagres da vida diária. Se é capaz de ver o que é belo, é porque traz a beleza dentro de si – já que o mundo é um espelho, e devolve a cada homem o reflexo de seu próprio rosto. Embora conhecendo seus defeitos e limitações, faz o possível para manter o  bom humor nos momentos de crise. Afinal de contas, o mundo está se esforçando para ajudá-lo, mesmo que tudo à sua volta pareça dizer o contrário.”

Resistir
Um Guerreiro da Luz precisa de calma, paciência e muita rapidez. Ele necessita de todas essas qualidades ao mesmo tempo. Por outro lado, os dois maiores erros são agir antes da hora e deixar que a oportunidade passe longe. Para evitar que isso aconteça, trata cada situação como se fosse unica e não aplica fórmulas, receitas ou opiniões alheias. Só ele terá que responder por seus atos. E tem consciência de sua responsabilidade. O califa Moauiyat perguntou a Omr Ben Al-Aas: "Qual é o segredo de sua grande habilidade política?". "Nunca me meti em assunto sem ter estudado previamente a retirada. Por outro lado, nunca entrei e quis logo sair correndo", foi a resposta de Omr Ben Al-Aas.”

Sabendo esperar
O Guerreiro da Luz precisa de tempo para si mesmo. E usa este tempo para o descanso, a contemplação, o contato com a alma do mundo. Mesmo no meio de um combate, ele consegue meditar. Em algumas ocasiões senta-se, relaxa, e deixa que tudo ao seu redor continue acontecendo. Olha tudo a sua volta como se fosse um espectador, não tenta crescer nem diminuir – apenas entregar-se sem resistência ao movimento da vida. Aos poucos, tudo que parecia complicado começa a tornar-se simples.

Sem pressa
Um Guerreiro da Luz não tem pressa para nada na vida. O tempo trabalhara a seu favor sempre, se ele conseguir dominar a própria impaciência. Andando cada vez mais devagar, ele nota a firmeza de seus passos. Sabe que, como todos no mundo, que participa de um momento decisivo para a história, e precisa mudar a si mesmo antes de querer mudar o mundo. Como disse Lanza del Vasto, "uma revolução precisa de tempo para se instalar". Pouco a pouco muda sua vida e vai percebendo as diferenças. Gradualmente, enfrenta desafios maiores, que requerem mais esforço. Um Guerreiro da Luz não pode ter pressa para conseguir o que deseja. Ele não pode colher o fruto enquanto ainda está verde. Por isso, ele espera o seu tempo.


O Guerreiro da Luz tem cuidado com as pessoas que pensam conhecer o caminho. Elas estão sempre tão confiantes na sua própria capacidade de decidir, que não percebem a ironia que o destino escreve a vida de cada um e protestam quando o inevitável bate à porta. O Guerreiro da Luz tem seus sonhos. Os seus sonhos levam-no adiante. Mas ele jamais comete o erro de pensar que o caminho é fácil e que a porta é larga. Sabe que o Universo funciona como funciona a alquimia : Solve et coagula, diziam os Mestres. " Concentra e dispersa as Tuas energias, de acordo com a situação. O Guerreiro da Luz faz a distinção nos momentos de agir e aceitar.

pensador.uol.com.br/guerreiro_da_luz

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

TEORIA DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIÍPLAS


 
A teoria das inteligências múltiplas foi estudada pelo psicólogo Howard Gardner como um contrapeso para o paradigma da inteligência única. Ele propôs que a vida humana requer o desenvolvimento de vários tipos de inteligências. Portanto, Gardner não entra em conflito com a definição científica de inteligência como sendo “a capacidade de resolver problemas ou fazer coisas importantes”.

Howard Gardner e seus colegas da prestigiada Universidade de Harvard advertiram que a inteligência acadêmica (obtida através de qualificações e méritos educacionais) não pode ser o fator decisivo para determinar a inteligência de uma pessoa. Gardner e seus colegas poderiam dizer que Stephen Hawking não tem mais inteligência do que Leo Messi, mas cada um desenvolve um tipo diferente.

A pesquisa de Howard Gardner identificou e definiu oito tipos diferentes de inteligência. Vamos ver com mais detalhes cada uma das inteligências propostas pela Teoria das Inteligências Múltiplas de Gardner.

Inteligência linguística
A capacidade de dominar a linguagem e se comunicar com outros é importante em todas as culturas. Desde pequeno o ser humano aprende a usar a língua nativa para ser capaz de se comunicar de forma eficaz. A inteligência linguística não só se refere à capacidade de comunicação oral, mas a outras formas de comunicação como a escrita, gestual, etc. Quem domina melhor essa capacidade de comunicação possui uma inteligência linguística superior. Algumas profissões enfatizam esse tipo de inteligência como, por exemplo, os políticos, escritores, poetas, jornalistas…

Inteligência lógico-matemática
Durante décadas a inteligência lógico-matemática foi considerada um tipo de inteligência bruta. Ela assumiu o eixo principal do conceito de inteligência, e foi usada como um ponto de referência para detectar o quão inteligente era uma pessoa. Como o próprio nome indica, este tipo de inteligência está ligada à capacidade de raciocínio lógico e resolução de problemas matemáticos. A velocidade para resolver estes problemas é o indicador que determina quanta inteligência lógico-matemática a pessoa tem. O famoso teste de quociente de inteligência (QI) é baseado neste tipo de inteligência e, em menor proporção, na inteligência linguística. Cientistas, economistas, acadêmicos, engenheiros e matemáticos muitas vezes se destacam neste tipo de inteligência.

Inteligência Espacial
A capacidade de observar o mundo e os objetos em diferentes perspectivas está relacionada a este tipo de inteligência, em que se destacam os profissionais de xadrez e artes visuais (pintores, designers, escultores…). Pessoas que se destacam nessa inteligência, geralmente têm habilidades que lhes permitem criar imagens mentais, desenhar e identificar detalhes, além de um sentimento pessoal de estética. Com essa inteligência desenvolvida, encontramos pintores, fotógrafos, designers, publicitários, arquitetos,  e outras profissões que exigem criatividade…

Inteligência Musical
A música é uma arte universal. Todas as culturas têm alguma forma de música, mais ou menos elaborada, levando Gardner e seus colegas a entenderem que há uma inteligência musical latente em todos. Algumas áreas do cérebro executam funções relacionadas ao desempenho e à composição da música. Como qualquer outro tipo de inteligência, você pode treinar e melhorar. Os mais favorecidos neste tipo de inteligência são aqueles capazes de tocar instrumentos, ler e compor peças musicais com facilidade.

Inteligência corporal e sinestésica
As habilidades motoras do corpo são necessárias para utilizar ferramentas ou para expressar certas emoções, é essencial para o desenvolvimento em qualquer cultura. A capacidade de usar ferramentas é considerada uma inteligência sinestésica corporal. Além disso, a capacidade intuitiva da inteligência corporal é utilizada para expressar sentimentos através do corpo. São particularmente brilhantes neste tipo de inteligência: dançarinos, atores, atletas e até mesmo cirurgiões e artistas plásticos, porque todos eles precisam usar racionalmente as suas capacidades físicas.

Inteligência intrapessoal
A inteligência intrapessoal se refere à inteligência que nos permite compreender e se controlar internamente. As pessoas que se destacam neste tipo de inteligência são capazes de acessar seus sentimentos e refletir sobre eles. Essa inteligência também lhes possibilita aprofundar a visão e compreender as razões sobre o porquê de uma pessoa ser do jeito que é.

Inteligência Interpessoal
A inteligência interpessoal nos permite ficar conscientes de coisas que os nossos sentidos não conseguem captar. É uma inteligência que nos possibilita interpretar palavras, gestos, objetivos e metas subentendidos em cada discurso. A inteligência interpessoal aprimora a nossa capacidade de empatia. É uma inteligência muito valiosa para as pessoas que trabalham com grandes grupos. Sua capacidade de detectar e compreender as circunstâncias e problemas dos outros será maior com a inteligência interpessoal. Professores, psicólogos, terapeutas, advogados e educadores são perfis que têm uma pontuação muito elevada neste tipo de inteligência descrita na teoria das inteligências múltiplas.

Inteligência naturalista
A inteligência naturalista detecta, diferencia e categoriza as questões relacionadas com a natureza, como espécies animais e vegetais ou fenômenos relacionados ao clima, geografia ou fenômenos naturais. Este tipo de inteligência foi adicionado mais tarde ao estudo original de Inteligências múltiplas de Gardner, em 1995. Gardner achou necessário incluir nesta categoria porque é uma das inteligências essenciais para a sobrevivência do ser humano e de outras espécies.

Gardner afirma que todas as pessoas possuem cada um dos oito tipos de inteligência, embora cada tipo seja mais desenvolvido em algumas pessoas do que em outras, todos os oito tipos tem a mesma importância e não há uma mais valiosa que a outra.
 
Em geral, precisamos utilizá-las para enfrentar a vida, independentemente da ocupação realizada. Afinal, a maioria dos trabalhos requer o uso da maioria dos tipos de inteligência.
 
A educação ensinada na sala de aula é um procedimento destinado a avaliar os dois primeiros tipos de inteligência: linguística e lógica matemática. No entanto, esta educação é totalmente inadequada para educar os alunos na plenitude do seu potencial. A necessidade de mudança no paradigma educacional foi trazida à discussão pela Teoria das Inteligências Múltiplas de Gardner.

 www.psiconlinews.com

O CÉREBRO PODE OPERAR EM 11 DIMENSÕES

 
Neurocientistas aproveitaram um ramo clássico de matemática de uma forma totalmente nova para avaliar a estrutura de nossos cérebros. Por meio da topologia algébrica, eles descobriram que o principal órgão do sistema nervoso está cheio de estruturas geométricas multidimensionais e pode operar em até 11 dimensões.

Estamos acostumados a enxergar o mundo por uma perspectiva tridimensional, então isso pode parecer estranho ou difícil de conceber. Porém, os resultados do novo estudo poderiam ser um próximo passo importante na compreensão dos tecidos do cérebro humano – a estrutura mais complexa que conhecemos.

Pesquisa suíça
Esse novo modelo de cérebro foi produzido por uma equipe de pesquisadores do projeto Blue Brain, uma iniciativa da pesquisa suíça dedicada a elaborar uma reconstrução do cérebro humano via supercomputador.

A equipe utilizou topologia algébrica, um ramo de matemática aplicado no sentido de descrever as propriedades de objetos e espaços, independentemente de como eles mudaram de forma. Eles descobriram que os grupos de neurônios se conectam em “panelinhas”, em grupos afins, o número de neurônios em uma mesma “panelinha” determinaria seu tamanho como um objeto geométrico de alta dimensão.

“Encontramos um mundo que nunca havíamos imaginado”, disse o líder da pesquisa, Henry Markram, neurocientista do instituto EPFL na Suíça. “Existem dezenas de milhões desses objetos, mesmo em uma pequena mancha do cérebro, através de sete dimensões. Em algumas redes, até encontramos estruturas com até 11 dimensões”.

Funcionamento cerebral
Estima-se que os cérebros humanos contenham um impressionante total de 86 bilhões de neurônios, com conexões múltiplas entre cada célula e emaranhadas por todas as direções possíveis. Eles formam, desse modo, a vasta rede celular que, de alguma forma, faz com que as pessoas sejam capazes de pensar e de desenvolver a consciência.

Diante de uma quantidade tão imensa de conexões para serem analisadas, não é de admirar que ainda não seja possível compreender, de forma minuciosa, como opera a rede neural do cérebro. Porém, a nova estrutura matemática construída pela equipe nos conduz alguns passos adiante para, um dia, desenvolver um modelo de cérebro digital.

Procedimento
Para realizar os testes matemáticos, a equipe usou um modelo detalhado de neocórtex publicado pela equipe do projeto Blue Rain, em 2015. O neocórtex é considerado a parte mais recentemente desenvolvida dos nossos cérebros no processo evolutivo. Ele se envolve em algumas de nossas funções mais complexas, como cognição e percepção sensorial.

Depois de desenvolver a linha teórica matemática e testá-la em seus estímulos virtuais, os pesquisadores também confirmaram seus resultados em tecidos cerebrais reais de ratos.

De acordo com o estudo, a topologia algébrica fornece ferramentas matemáticas para identificar detalhes da rede neural, tanto em uma visão aproximada ao nível dos neurônios individuais quanto em uma escala maior, na estrutura cerebral como um todo.

Ao conectar esses dois pontos de vista, os pesquisadores poderiam distinguir as estruturas geométricas de alta dimensão no cérebro, formadas por coleções de neurônios hermeticamente conectados (cliques) e os espaços vazios (cavidades) entre eles.

“Encontramos um número extraordinariamente alto e uma ampla variedade de cliques e cavidades ordenadas de alta dimensão, que jamais foram vistas antes em redes neurais, nem biológicas ou artificiais”, escreveram os pesquisadores no estudo.

“A topologia algébrica é como um telescópio e um microscópio ao mesmo tempo”, diz uma das cientistas, Kathryn Hess, da EPFL. “É possível ampliar as redes para encontrar estruturas ocultas – as árvores na floresta – e enxergar os espaços vazios e as clareiras, tudo ao mesmo tempo”.

Essas clareiras, ou cavidades, parecem ser criticamente importantes para a função cerebral. Quando os pesquisadores deram um estímulo ao tecido do cérebro virtual, perceberam que os neurônios estavam reagindo de maneira altamente organizada.

“É como se o cérebro reagisse a um estímulo ao construir e depois destruir uma torre de blocos multidimensionais, começando com hastes (unidimensionais), pranchas (bidimensionais), cubos (tridimensionais) e, enfim, geometrias mais complexas com 4D, 5D, etc”, diz um dos cientistas, o matemático Ran Levi, da Universidade Aberdeen, na Escócia. “A progressão das atividades através do cérebro se assemelha a um castelo de areia multidimensional, que se materializa fora da areia e, depois, desintegra-se”.

Essas descobertas fornecem uma nova imagem tentadora de como o cérebro processa as informações, mas os pesquisadores pontuaram algo que ainda não está claro: o que faz os cliques e as cavidades se formarem em suas maneiras altamente específicas.

Será necessário mais trabalho e pesquisas para determinar como a complexidade dessas formas geométricas multidimensionais formadas por nossos neurônios se correlacionam com a complexidade de diversas tarefas cognitivas.

Mas, definitivamente, esta não é a última vez que teremos notícias de novos insights que a topologia algébrica pode nos fornecer sobre o cérebro – o mais misterioso dentre os órgãos humanos.
 
Carolina Goetten
Frontiers of Computational Neuroscience
ScienceAlert
HypeScience

EMPATAS

 
Um(a) Empata é capaz de perceber e ser afetado pela energia de outras pessoas, objetos, animais e/ou ambiente, captando sentimentos/emoções e intenções alheias intuitivamente. É um dom inato que não pode ser alterado. Pode causar sofrimento e até problemas de saúde caso o(a) Empata não saiba lidar com a sua condição, mas que também pode ser fonte de felicidade quando usado para praticar o bem.
 
Sofre constantes oscilações inexplicáveis de humor e estado de espírito
Sentir as emoções e tomá-las como suas: este é o grande fardo para sensitivos. Alguns deles vão sentir emoções vindas daqueles que estão perto e outros poderão sentir as emoções de pessoas a uma grande distância, ou até ambas. Os empatas mais sintonizados irão saber se alguém está a ter maus pensamentos sobre eles, até mesmo a uma grande distância.

Os Empatas têm uma tendência para sentir abertamente o que está fora deles mais do que o que está dentro deles. Isto pode fazer com que os Empatas ignorem as suas próprias necessidades. São inclinados a pegar sentimentos alheios e projetá-los de volta, sem perceber a sua origem em primeiro lugar.

Pode acordar sobressaltado por sentimentos repentinos e intensos, sabendo que eles não são seus, ou simplesmente acorda sentindo-se devastado, deprimido e cansado, sem absolutamente nenhum motivo aparente.
 
Muitos sensitivos não entendem o que está a acontecer dentro deles. Eles literalmente não têm ideia de que as emoções de outra pessoa estão agora a ser sentidas como se fosse o próprio e a ser refletidas exteriormente. Eles ficam confusos pois num momento tudo estava bem e logo depois sentem-se tão deprimidos, sozinhos, etc. A necessidade de compreender as possibilidades de conexão empática é uma parte vital da viagem dos sensitivos, quer para si mesmos, quer para aqueles ao seu redor.

Um(a) Empata pode parecer mal-humorado, tímido, indiferente, desconectado: dependendo de como um Empata se sente, isso irá influenciar com que cara eles se mostram para o mundo. Se eles captaram energia muito negativa aparecerão calados e insociáveis .
 
É capaz de perceber sentimentos das outras pessoas sem esforço
Sabem o que uma pessoa está sentindo. Ela pode até estar sorrindo e dizendo que está tudo maravilhoso, mas simplesmente “sabe” se ela realmente está bem ou não.

Ser um empata é muito mais do que ser altamente sensível e não está limitado apenas às emoções. Pessoas mais sensitivas podem perceber sensibilidades físicas e impulsos espirituais, bem como apenas saber as motivações e intenções de outras pessoas. Empatas podem sentir que alguém está chegando ou até dizer aos outros quem está ligando para eles (antes de pegar no celular ou atender o telefone) e não achar que isso é incomum. Alguns Empatas mais afiados podem até captar se alguém está pensando algo ruim a seu respeito.

Sente fortes impactos emocionais em todos os lugares, inclusive dos animais e “ondulações” emocionais no mundo.
 
Empatas sentem emoções enquanto caminham pela rua e passam por completos estranhos. Sabe precisamente quando alguém está em crise com sua saúde ou emoções e por vezes, tem até uma noção do que está errado.

Estar em locais públicos pode ser esmagador ou avassalador: lugares como shoppings, supermercados ou estádios onde há uma grande quantidade de pessoas ao redor pode preencher o Empata com as emoções turbulentas vindas de outras pessoas.

Empatas normalmente se sentem cansados em ambientes lotados e agitados pois involuntariamente captam o excesso de energias ali presentes. Também absorvem sinais de pessoas e animais, muitas vezes de forma igual. Podendo sentir se um cão ou gato está deprimido, ou alegre, ou nervoso. Pode ajudar a acalmar ou a aliviar a depressão em um animal de estimação, mesmo de outra pessoa que tenha acabado de conhecer. Se houver uma catástrofe ou crise que provoque uma resposta emocional forte de massas de pessoas, um(a) Empata poderá sentir.
 
Recebe pedidos de ajuda ou é atraído para quem precisa ser auxiliado e torna-se confidente até de completos estranhos. Qualquer um cujo sofrimento, dor emocional, a ser vítima de injustiça ou intimidado, chama a atenção e a compaixão de um(a) Empata, que são muitas vezes atraídos por pessoas com problemas e quase compelidos a ajudá-las.

Pessoas que acaba de conhecer podem abrir seus segredos mais profundos, por exemplo, na fila do supermercado. Empatas se voltam para os oprimidos e tendem a sentir compaixão por quem sofre. Podem até mesmo absorver as dores de outras pessoas, especialmente dos mais próximos. Pessoas de todas as esferas da vida e os animais são atraídos para o calor e a genuína compaixão dos sensitivos.
 
Independentemente de saber se os outros estão conscientes de um ser empático, as pessoas são atraídas para eles como um objeto de metal para um ímã, embora algumas também sejam afastadas.
 
Até mesmo completos estranhos acham fácil falar com sensitivos sobre a maioria das coisas pessoais, e antes que eles dêem por isso, eles já derramaram os seus corações e a sua alma sem a intenção de fazê-lo de forma consciente. É como se a um nível sub-consciente, a pessoa soubesse instintivamente que um(a) Empata o iria ouvir com uma compreensão compassiva.

Estes são os grandes ouvintes da vida. Eles podem ser extrovertidos, borbulhantes, entusiastas e é uma alegria estar na presença deles, assim como podem ser altamente humorísticos nos momentos mais inusitados! Por outro lado, Empatas ou Sensitivos podem ser ponderados com mudanças de humor quando têm outros ao seu redor e podem querer fugir dali rapidamente.
 
Simplesmente sabe de informações quando elas são solicitadas.
Empatas têm essa característica, mesmo quando crianças. Outras pessoas percebem isso como inteligência/esperteza precoce, pois o(a) Empata muitas vezes responde a adultos durante a conversa com a resposta correta, inclusive na escola, nem sempre precisa estudar para saber respostas.

Sensitivos sabem coisas, sem lhes serem ditas. É um conhecimento que vai além da intuição, mesmo que essa seja a forma como muitos poderiam descrever o saber. Quanto mais sintonizados eles são, mais forte este dom se torna.

Os sensitivos são muitas vezes solucionadores de problemas, pensadores e estudiosos de muitas coisas. No que diz respeito aos Sensitivos onde existe um problema existe também a solução. Eles muitas vezes vão procurar até encontrar uma – mesmo que seja apenas por paz de espírito. Isso certamente pode ser benéfico para os outros nos seus relacionamentos ou no trabalho. Onde há uma vontade, uma intenção, há um caminho e o(a) Empata irá encontrar. A empatia pode literalmente (provavelmente sem o conhecimento do que realmente está a ocorrer) tocar no Conhecimento Universal e ser receptivo à orientação para a solução de qualquer coisa que eles colocaram a sua cabeça e no seu coração.
 
Podem sofrer com distúrbios digestivos e problemas nas costas, sendo que o chakra do plexo solar tem base no centro do abdómen e é conhecido como a sede das emoções. Este é o lugar onde Empatas sentem a emoção de entrada do outro, o que pode enfraquecer a área e, eventualmente, levar a qualquer problema, desde úlceras estomacais a má digestão, entre muitas outras coisas. Os problemas nas costas podem-se desenvolver porque quando uma pessoa que não tem conhecimento que é Empata e não está preparada, estará quase sempre “sem chão”.
 
Sente necessidade e prazer em passar algum tempo sozinho(a)
Empatas precisam de tempo sozinhos, de preferência em silêncio e com quase nenhuma interferência externa. Esta não é apenas uma preferência, mas uma necessidade, para evitar que sejam esmagados por informações emocionais dos outros. Isto é ainda mais evidente em crianças empáticas.
 
Possui uma espécie de detector de mentiras
Empatas tem mais facilidade para perceber quando alguém está falando uma coisa e sentindo/pensando outra. Se alguém está dizendo alguma coisa e sente ou pensa de outra forma, o(a) Empata simplesmente sabe. E quando alguma mentira “passa”, geralmente de alguma forma a verdade acaba misteriosamente aparecendo.
 
Forte ligação com a verdade
Tudo o que contraria seus sentimentos soa como uma mentira e os empatas são apaixonados pela verdade. Enfim, tudo que ele faz precisa ter sentido, um forte significado. Luta pela verdade: isso torna-se mais predominante quando um empata descobre seus dons de nascença.
 
Como se relacionam
Empatas podem levar um tempo para lidar com um elogio embora sejam eles que estão mais inclinados a identificar e expressar os atributos positivos dos outros. Elas são altamente expressivas em todas as áreas de ligação emocional e falam abertamente e muito francamente. No entanto, elas podem ser exatamente o oposto: recatados e aparentemente sem resposta, a maior parte do tempo. Podem até parecer ignorantes. Alguns são muito bons em “bloquear” os outros, pelo menos para o empata aprender a gerir uma enxurrada de emoções dos outros, bem como os seus próprios sentimentos.
 
Embora sensato e generoso e muitas vezes tolerante para com os outros, os sensitivos não gostam de ter pessoas ao seu redor excessivamente narcisista ou egoístas, que se colocam em primeiro lugar e se recusam a considerar os sentimentos dos outros, ou pontos de vista diferentes do seu. Empatas tendem a focar nos pontos positivos das outras pessoas e normalmente se expressam bem e tem muita facilidade para falar sobre sentimentos. Por outro lado, se captarem muita energia negativa ao seu redor podem se tornar calados, introspectivos e rabugentos.
 
Família
Eles também podem ser os “guardiões” do conhecimento ancestral e histórico familiar. Se não os historiadores da família, eles podem ser os que escutam as histórias passadas e guardam a maior parte da história familiar.
 
Não vão optar por comprar antiguidades, vintage ou coisas em segunda mão
Qualquer coisa que tenha sido pré-propriedade, carrega a energia do proprietário anterior (preferem comprar objetos novos por não carregarem a energia alheia). Um empata vai mesmo preferir ter um carro ou uma casa nova (se eles estiverem numa situação financeira que lhe permita fazê-lo), sem energia residual.

Os sensitivos podem ser excelentes contadores de histórias, devido a uma imaginação sem fim, mentes curiosas e conhecimento em constante expansão.

Fica entediado ou distraído facilmente se não for estimulado nas tarefas mais rotineiras: trabalho, escola e vida doméstica tem que ser mantidas interessantes para um empata ou eles desligam-se delas e acabam a sonhar, rabiscar ou a procrastinar.

Estão sempre à procura de respostas e conhecimento… Ter perguntas sem resposta pode ser frustrante para um empata e eles vão esforçar-se sempre para encontrar uma explicação.  Se eles têm um conhecimento sobre algo, eles irão procurar a confirmação.
 
Empatas geralmente abominam a desordem, pois ela traz uma sensação de peso e bloqueia o seu fluxo de energia. Por falar em peso… Empatas possuem propensão para carregar peso sem necessariamente se desgastar, pois o excesso de peso é uma forma de proteção para impedir a chegada das energias opostas que têm tanto impacto em si.

Empatas costumam ter a capacidade de sentir os dias da semana. Sentirá o “sentimento de sexta-feira”, quer ele trabalhe às sextas-feiras ou não. Eles captam sobre como o coletivo está se sentindo. O primeiro par de dias de um longo fim de semana de feriado (da Páscoa, por exemplo) pode ser sentido por eles, como se o mundo estivesse sorrindo, calmamente e relaxadamente. Domingo à noite, as segundas-feiras e terças-feiras, de uma semana de trabalho, têm um sentimento muito pesado.